D. João IV - O Restaurador

D. João IV – O Restaurador

Depois de sessenta anos de governação espanhola, D. João, duque de Bragança, conseguiu restaurar a independência nacional. Foi aclamado rei D. João IV de Portugal, e foi-lhe atribuído o cognome o Restaurador. Vamos descobrir um pouco mais sobre a sua vida.

  • D. João IV nasceu no ano de 1604, em Vila Viçosa. Era filho de D. Teodósio, sétimo duque de Bragança, e de D. Ana Velasco.

  • D. João IV falava francês de forma exemplar, gostava de estudar Matemática e Latim. Interessava-se pela Pintura e, em especial, pela Música, tendo composto algumas peças musicais.

  • Em 1633, casou com D. Luísa de Gusmão, de quem veio a ter sete filhos.

  • Nessa época, Portugal era governado por reis espanhóis, uma vez que tinha perdido a sua independência, após a morte do cardeal D. Henrique, o que deu início, em 1581, à terceira dinastia portuguesa. Esta dinastia foi constituída por três reis: o primeiro foi Filipe I de Portugal, que era também Filipe II de Espanha; o segundo foi Filipe II de Portugal, que era Filipe III de Espanha; o último foi Filipe III de Portugal que, em Espanha, foi Filipe IV.

  • Os Portugueses estavam descontentes com o domínio filipino e queriam restaurar a independência. Então, um grupo de nobres preparou uma revolta e escolheu D. João IV para líder, porque ele era descendente dos reis portugueses.

  • Na manhã do dia 1 de dezembro de 1640, um grupo de conspiradores atacou o Paço da Ribeira. A duquesa de Mântua, que era a representante do rei de Espanha em Portugal, tentou resistir, mas acabou por se render. Por sua vez, o seu secretário, o português Miguel de Vasconcelos, apesar de se ter escondido num armário, foi descoberto, ferido e atirado por uma janela. Em seguida, um velho fidalgo apareceu a uma janela do palácio e gritou: «Liberdade! Liberdade! Viva el-rei D. João IV! O duque de Bragança é o nosso legítimo rei!» Estava, assim, restaurada a independência de Portugal, e é por isso que o dia 1 de dezembro é feriado nacional.

  • Em 1646, D. João IV ofereceu a Coroa portuguesa a Nossa Senhora da Conceição e proclamou-a Padroeira de Portugal. Os reis que lhe sucederam passaram a ser representados ao lado da coroa régia como sinal de devoção e respeito pela Virgem Maria.

  • Quando D. João IV morreu, em 1656, com 52 anos de idade, D. Luísa de Gusmão foi nomeada regente até o príncipe Afonso, futuro D. Afonso VI, completar a maioridade.